quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Lição


Um dos lados bons de ter um blog é que ao reler aquilo que outrora postamos, podemos observar nossa evolução ou não. É interessante observar como lidava com circunstâncias que aconteciam comigo, como hoje percebo que mudei, quão frágil já pareci e quão forte já me senti e talvez quão instável sou...
E por falar em fragilidade, eis a pior sensação que se pode sentir. É horrível se sentir frágil, criança, dependente e não entendo como caio nessa armadilha ainda! Eu mesma me saboto, pode isso? Que psicopatia!

Tanta coisa já aconteceu, tanta coisa eu vi que fazia o possível pra não ver, tanta mágoa eu senti... Aprendi que as pessoas são e agem conforme as convém, só e sempre conforme as convém, não há exceção! Aprendi que isso é assim pra qualquer um, seja ele pai, mãe, irmão, irmã, amigo, esposa, marido, enfim, pessoas! 

Aprendi que pra muitos, é mais fácil reclamar do que agir.. Aprendi que muitas pessoas preferem viver uma vida infeliz, porém fácil, do que viver plenamente, intensamente, dificilmente, porém feliz. 

Aprendi que aprendo com puxadas de orelha e me permito aprender e ouvir, mesmo quando a maneira com que me falam é a pior possível, mesmo detestando ouvir, mesmo assim, meu bom senso prevalece ao meu orgulho.

Aprendi que o trabalho enobrece o homem, o tira da rota de assuntos fúteis e improdutíveis e o coloca no caminho do progresso, porém também aprendi, que por mais que muitos tentem, o trabalho não abafa os sentimentos e não torna as pessoas super heróis e de ferro. O trabalho enobrece, mas o lado humano, frágil e sentimental uma hora ou outra volta à tona.

Aprendi também, que é só com muita reflexão ou muita terapia que as pessoas conseguem equilíbrio para remanejar tanto trabalho e sentimentos... isso quando o conseguem.

Aprendi e ando aprendendo todos os dias, por bem, mas normalmente aos trancos e barrancos e tento todos os dias fazer com que esses aprendizados tornem-se atos e não apenas palavras, isso é muito difícil!

Porém, sem muita baboseira, aprende-se mesmo fazendo e normalmente - pra não dizer sempre - quando não temos outra opção! 

Só existe uma forma para aprender e seguir aprendendo e evoluindo....... humildade! Só se permite ouvir para então entender, para daí pensar e consequentemente concluir que realmente é o melhor e querer mudar, quando não nos achamos sabedores de tudo e donos da palavra. E em outras palavras, a tão dita humildade, é isso aí, as pessoas gostam de usá-la para fazer com que os outros se calem, porém esquecem de pô-la em prática para si mesmos...

E vamos aprendendo... pelo menos eu até o momento que deixar de respirar.

domingo, 4 de setembro de 2011

Fogos de Artifício


"Você já se sentiu
Como um saco de plástico
Voando com o vento
Querendo começar de novo

Você alguma vez já se sentiu
Se sentiu tão frágil
Como um castelo de cartas
A um simples sopro de desmoronar

Você alguma vez já se sentiu
Como se estivesse enterrado
A sete palmos
Você grita, mas parece que ninguém ouve nada

Você sabe que há
Uma chance para você
Pois você tem um brilho
Você só tem que...

Acender a luz
E deixá-la brilhar
Seja o dono da noite
Como o dia da independência
Pois, baby, você é como fogos de artifício
Venha e mostre do que você é capaz
Deixe todos boquiabertos falando "oh, oh, ooooh"
Enquanto você cruza o céu

Baby, você é como fogos de artifício
Vamos, deixe as suas cores explodirem
Deixe todos boquiabertos falando "oh, oh, ooooh"
Você vai deixá-los todos supresos.

Você não precisa se sentir
Como um desperdício de espaço
Você é original
Não pode ser substituído

Se você ao menos soubesse
O que o futuro lhe aguarda
Depois do furacão
Vem o arco-íris

Talvez a razão por quê
Todas as portas se fecharam
Seja pra você poder abrir uma
Que te leverá ao rumo perfeito

Como um relâmpago
O seu coração reluz
E você saberá quando chegar a hora
Você só tem que

Acender a luz
E deixá-la brilhar
Seja o dono da noite
Como o dia da independência
Pois, baby, você é como fogos de artifício
Venha e mostre do que você é capaz
Deixe todos boquiabertos falando "oh, oh, ooooh"
Enquanto você cruza o céu
Baby, você é como fogos de artifício
Vamos, deixe as suas cores explodirem
Deixe todos boquiabertos falando "oh, oh, ooooh"
Você vai deixá-los todos supresos."

Mais brilhante até que a lua, 
Esse sempre foi você por dentro
E agora é hora de deixar isso aparecer
Pois, baby, você é como fogos de artifício
Venha e mostre do que você é capaz
Deixe todos boquiabertos falando "oh, oh, ooooh"
Enquanto você cruza o céu
Baby, você é como fogos de artifício
Venha e deixe as suas cores explodirem
Deixe todos boquiabertos falando "oh, oh, ooooh"
Você vai deixá-los todos surpresos.

Firework (Katy Perry)

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Lembranças

Hoje pensei no meu irmão que faleceu em fevereiro agora, esse das fotos nas postagens ai embaixo.
O engraçado, com o perdão da blasfêmia, é que não sinto que ele morreu, simplemente pra mim ele esta na praia, com os amigos dele. E quando, por um segundo, me cai a realidade e fico pensando no que ele sentiu ao perceber que ia morrer, se sentiu dor ao ter o peito pressionado pelo painel do carro ou se na hora sentiu tristeza por deixar essa vida, ai nessas horas parece que coloco o dedo na tomada e sinto um choque. Uma pancada no estômago, um formigamento nas mãos e elas começam a suar e normalmente nessa hora minha cabeça vai pra outro lado e desvia o pensamento.
O que isso significa? Faço mil suposições, mas não sei ao certo. Só sei que até hoje não conheço sua lápide, não tenho vontade de ir lá, porque na minha cabeça, lá é o último lugar onde ele está.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Navegar em mim!

Assinando o fim
Eu lamento tanto
Palavras perdidas
Sensações vividas

Eu anulo em mim
A promessa feita
Eu desfaço o sonho
De amor por toda a vida

Foi engano achar
Que você me amou
Afinal de amor
Você não sabe nada

Foi um erro aceitar
O seu gesto de amor
No final a dor
Me fez sua morada

Alguém pra me amar
Precisa me aceitar
Assim como eu sou
Imperfeita, amor

Quem quiser me amar
Precisa ter o dom
Bem mais que seduzir
Navegar em mim


; )

segunda-feira, 28 de março de 2011

Amor Independente...

Não sou muito de mandar vários e-mails, tampouco de ficar falando dezenas de palavras de quanto amo ou quanto me preocupo ou até mesmo de quanto sinto falta. Também não sei ser muito carinhosa e expressar em atos e dizeres o que sinto para quem sinto.

Meu amor costuma ser evidente quando me indigno com comportamentos errados e brigo para que a pessoa tente ver a coisa pelo modo certo e para que mude o modo de vida e de encarar as dificuldades. Eu não posso ver o sofrimento de quem amo.  Sofrimento que se dá por enxergar a vida do jeito errado, e se achar muito injustiçado e sofrer muito com isso. Jamais vou dizer a pessoa que ela tem razão, por pior que seja a dor, meu amor não permite que minta. Respeito o meu próximo, a inteligência do meu próximo, justamente dando a ele a verdade de como deve enxergar a vida, de como as coisas são, e dessa forma deixo ao livre arbítrio da pessoa, deixo a mercê de sua inteligência agir como melhor lhe parecer. Não faço de conta que a pessoa está certa para evitar atritos e dessa forma subestimar sua inteligência, deixo tudo às claras.

Muito paparico não é a melhor forma de amor, é a melhor forma de egoísmo e posse, pois quanto mais te deixo dependente de minha companhia, de meu amor, tiro de você a chance de ser dependente de sua própria companhia e do seu amor próprio. Aquele que não suporta a solidão, não conhece o benefício da auto reflexão e não saberá batalhar sem ter um suporte que lhe auxilie como a um corrimão no caso da queda. A pessoa não nasce assim, fazemos pessoas assim.

É muito maior a prova de amor, tornar um ser independente de você do que o contrário.
Se uma pessoa chegar até mim pedindo ajuda, ou eu perceber que ela efetivamente precisa de ajuda e está disposta a mudar se for o caso, eu não me canso em ajudar. O que não tolero é a pessoa não precisar de ajuda e dizer que a vida não dá certo porque não tem ajuda, onde muitas vezes o que falta é momentos de solidão, de auto reflexão para perceber que as coisas podem não dar certo, por culpa dela mesma. A pessoa só conclui isso em dois casos: 

1. Quando pede ajuda, aceita o que for dito e concorde que está agindo errado e resolve mudar.

 2. Quando pratica a auto reflexão e percebe que o erro parte dela.

O problema é que não é confortável fazer ambas as coisas, é mais confortável culpar os outros do que se auto punir e é menos humilhante se fazer de vítima do que pedir ajuda. 

As pessoas não nasceram para viverem isoladas, porém não nasceram para viverem como se fossem bebês. A companhia é necessária para a troca, para a mão estendida e consolo e não para servir de âncora e apoio. É uma carga pesada em demasia para quem for a âncora e perceber isso com relação ao outro, configura prova de amor e consideração.  

Boa auto reflexão a todos.


segunda-feira, 21 de março de 2011

Indignação...

Nós mulheres, pelo menos umas vez ao mês temos momentos de profundos pensamentos, de intensidades de emoções, de viagens ao fundo do fundo da alma. Normalmente é no meu período fértil que tenho esse tipo de "despertar".
E, no entanto, os homens - exceto os poetas - nos acham cansativas nessa época. rsrs

Enfim, achem o que quiserem, se identifiquem ou não, eu gosto e me sinto privilegiada por momentos como esses.

Hoje fui obrigada a pensar sobre o que leva uma pessoa a se indignar com uma situação e outra não. Acho que a diferença está na esperança. Aquele que não mais crê na mudança, aquele que acha que não há solução, esse não se indigna. Somente briga quem tem esperança de que brigando consiga mudar as coisas, somente tem esperança quem tem uma luz no coração, uma luz de inocência, uma luz que ainda crê.

Quero pessoas indignadas sempre ao meu lado para que não me deixem perder a fé, a fé nas pessoas e no bem...

sexta-feira, 4 de março de 2011

Gostava tanto de você...

"Eu sempre acho que às vezes na vida, a gente vive tão mal, às vezes a gente precisa perder as pessoas pra descobrir o valor que elas têm. Às vezes as pessoas precisam morrer pra gente saber a importância que elas tinham, e isso uma vez na minha vida aconteceu.

Estava eu na minha casa de manhã, quando recebi um telefonema que minha irmã estava morta, minha irmã mais nova, cheia de vida de repente não existe mais.

Fico pensando assim, que às vezes na vida o ensinamento mais doído seja esse, quando na vida nos já não temos mais a oportunidade de fazer alguma coisa, e o inferno talvez seja isso, a impossibilidade de mudar alguma situação.

E quando as pessoas morrem já não há mais o que dizer, porque mortos não podem perdoar, mortos não podem sorrir, mortos não podem amar, nem tão pouco ouvir de nos que nos os amamos.

Eu me lembro que uma semana antes de minha irmã morrer, ela havia me ligado, foi a última vez que eu falei com ela e eu me recordo que naquele dia, eu estava apressado muita coisa pra fazer, e fiz questão de desligar o telefone rápido, sabe quando você fala, mas fala na correria porque você tem muita coisa pra fazer? E foi assim, se eu soubesse que aquela era a última oportunidade de ver minha irmã, de olhar nos olhos dela, de falar com ela, eu certamente teria esquecido toda a pressa, porque quando a vida é assim, e você sabe que é a ultima oportunidade, você não tem pressa pra mais nada, já não há mais o que eu fazer, e essa é a beleza da última ceia de Jesus.

Não há pressa, o momento é feito para celebrar, a mística da última ceia está ali, Jesus reúne aqueles que pra ele tinha um valor especial, inclusive o traidor estava lá.

E eu descobri com isso, com a morte da minha irmã, que eu não tenho o direito de esperar amanhã pra dizer que amo, pra perdoar, para abraçar, dizer que é importante que é especial.

Não! O amanhã eu não sei se existe, mas o agora eu sei que existe, e às vezes na vida nos perdemos... Eu me lembro quantas vezes na minha vida de irmão com ela, nos passávamos uma semana sem nos falarmos, por que ouve uma briga uma confusão, a gente se dava o luxo de passar uma semana sem se falar, e hoje eu não tenho mais nem 5 minutos pra conversar com alguém que foi importante, que foi parte de mim.

Não espere as pessoas morrerem, irem embora, não espere o definitivo bater na sua porta, nós não conhecemos a vida e não sabemos o que virá amanhã, viva como se fosse o último dia da sua história, se hoje você tivesse que realizar a sua última ceia, porque é conhecedor que hoje é o último dia de sua vida, certamente você não teria tempo pra pressa. Você celebraria até o fim e gostaria de ficar no lado de quem você ama.

Viver o cristianismo, é fazer a dinâmica da última ceia todos os dias, viva como se fosse o último dia da sua vida, viva como se fosse a última oportunidade de amar quem você ama, de olhar nos olhos de quem pra você é especial.

E depois que minha irmã morreu um tempo bem passado, eu descobri porque eu gostava tanto dessa música que vou cantar agora, ela não fala de um amor que foi embora, o compositor fez para a filha que morreu em um acidente, então, fica muito mais especial cantá-la e descobrir o cristianismo que está no meio das palavras, por que é assim, quando o outro vai embora é que a gente descobre o tamanho do espaço que ele ocupava.


“Não sei por que você se foi
Quantas saudades eu senti
E de tristezas vou viver
E aquele adeus não pude dar...

Você marcou na minha vida
Viveu, morreu
Na minha história
Chego a ter medo do futuro
E da solidão
Que em minha porta bate..E eu!

Gostava tanto de você
Gostava tanto de você...

Eu corro, fujo desta sombra

Em sonho vejo este passado
E na parede do meu quarto
Ainda está o seu retrato

Não quero ver prá não lembrar
Pensei até em me mudar
Lugar qualquer que não exista
O pensamento em você...

E eu!

Gostava tanto de você
Gostava tanto de você..."


Agora o triste da música é que a gente precisa conjugar o verbo no passado, a pessoa já morreu, já não há mais o que fazer, mas não tem nenhum sofrimento nessa vida que passe por nos sem deixar nenhum ensinamento,...tem que nos ensinar, não dá pra sofrer em vão, alguma coisa a gente tem que extrair...extraia o sofrimento e descubra o ensinamento. Se ele algum dia me tocou e me deixou algum ensinamento eu faço questão de partilhá-lo com você agora. Depois da morte da minha irmã eu faço questão de viver a vida como se fosse o último dia.

Já que o passado é coisa do inferno e a gente não ta no passado, muito menos no inferno...resta a possibilidade de mudar o verbo de trazê-lo para o presente e de cantá-lo olhando para as pessoas que são especiais, quem sabe cantando pra ela nesse momento...se ela ta do seu lado, se você tem algum amigo que mereça ouvir isso de você, alguém que faz diferença na sua história...ao invés de você dizer que gostava, você diz que gosta!

Vamos mudar o verbo! Vamos amar a vida! Vamos amar as pessoas antes que elas vão embora!

E eu...EU GOSTO TANTO DE VOCÊ! EU GOSTO TANTO DE VOCÊ!"


Padre Fábio de Melo



terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Giovani

... Saudade é negar o presente, é querer a presença, é escorrer pelos olhos quando o coração não aguenta. É querer esquecer e não querer, é ter raiva por pensar demais e é ter raiva por não pensar por um segundo. É querer que fosse diferente e agradecer por ter sido como foi. É lamentar por não ter dito "eu te amo" repetidas vezes, e é saber que no coração, nos gestos, nas palavras, no olhar e nos atos - por mais imperceptível que seja - nesses atos, a pessoa soube do amor ...