domingo, 25 de abril de 2010

O Desafio de Amar

"Por que será que esperamos tão pouco de nós mesmos, mas estabelecemos padrões tão elevados para o nosso cônjuge? A resposta é difícil de engolir. Somos todos egoístas.
Quando um marido coloca os seus interesses, desejos e prioridades à frente de sua esposa é sinal de egoísmo. Quando uma esposa reclama constantemente sobre o tempo e a energia gastos
em suprir as necessidades de seu marido, é sinal de egoísmo.
Mas o amor "não busca os seus próprios interesses" (1 Coríntios 13:5). Os casais apaixonados - aqueles que vivem o pleno propósito do casamento - são inclinados a cuidar bem do outro ser humano, falho, que eles escolheram para compartilhar a vida. É por isso que o amor
verdadeiro busca maneiras de dizer "sim".
Um aspecto irônico do egoísmo é que mesmo as ações generosas podem ser egoístas se o objetivo for vangloriar-se ou receber alguma recompensa. Se você faz algo, ainda que bom, para manipular seu marido ou sua esposa, você ainda está sendo egoísta. Na verdade, o ponto principal é a sua decisão entre amar os outros ou amar a si mesmo.

O amor não se satisfaz senão na felicidade do outro. Você não pode agir com amor e ao mesmo tempo com egoísmo. Escolher amar o seu marido ou a sua esposa lhe levará a dizer "não" aos seus desejos, para que você diga "sim" à necessidade do outro. Isso é colocar a felicidade do seu (sua) companheiro (a) acima da sua própria vontade. Não significa que você nunca vai experimentar a felicidade, mas significa que você não negará a felicidade do seu cônjuge para vivê-la você mesmo.

O amor também leva a uma alegria interior. Quando você prioriza o bem-estar do seu cônjuge, uma satisfação interior, que não pode ser adquirida através de ações egoístas, nasce dentro de você. Esse é um benefício criado por Deus e reservado para aqueles que verdadeiramente demonstram amor. A verdade é, quando você renuncia aos seus interesses em benefício do seu marido ou da sua esposa, você tem a chance de se sacrificar pelo propósito maior do casamento.
Ninguém lhe conhece tão bem como o seu cônjuge. E isso significa que ninguém reconhecerá tão rápido a mudança, quando você começar a sacrificar, deliberadamente, os seus desejos e vontades para se assegurar de que os desejos dele estão sendo satisfeitos. Se você acha difícil
sacrificar seus próprios desejos para beneficiar seu cônjuge, então você tem um problema mais profundo com o egoísmo do que imagina.

Goste ou não, você tem uma reputação aos olhos das pessoas que estão ao seu redor, especialmente aos olhos do seu cônjuge. Mas essa é uma reputação amorosa? Lembre-se, o (a) seu (sua) companheiro (a) também tem o desafio de amar uma pessoa egoísta. Então, seja o
primeiro a demonstrar amor verdadeiro, com os seus olhos bem abertos. E quando tudo for dito e feito, ambos se sentirão mais satisfeitos.

"Nada façam por ambição egoísta ou por vaidade, mas humildemente considere os outros superiores a si mesmos" (Filipenses 2:3)."


(Trecho do livro "O Desafio de Amar" apresentado no filme "À Prova de Fogo")


4 comentários:

juraci disse...

concordo plenamente com o texto o que discordo e quando um o mariodo ou a esposa se dedica humildimente zeloza, caprichosa, esposa que ama e faz coisas para daz prazer ao seu companheiro, coisas até alem da conta para fazer com que seu companheiro se sinta feliz. E ele ou ela não faz nada disso pela companheira ou companheiro. não enxerga ela, não faz nada para agradala, agrdalo. é complicado né. bjs

Daniele Buzatta disse...

Oi Juraci!

Tenho notado que vc está muito magoada, ferida com a situação em que está vivendo... E quando estamos feridos temos vontade de ferir também, é inconsciente. Vou lhe dizer uma coisa... A maior prova de maturidade, segurança e libertação e até de amor é o perdão! A raiva é um veneno que tomamos esperando que mata o outro... pense nisso.

Se quiser trocar uma idéia, me manda e-mail.. Podemos trocar figurinhas hehe

danielebuzatta@gmail.com

Abraço, volte sempre que quiser e boa sorte! ;)

Fabiano Sbaraini disse...

Dedicar-se, ou não, à pessoa que está ao seu lado não é "planejação" (planejameto + ação), tampouco "egoísmo" ou "humildade", mas sim um ato de "espontaneidade". É algo que acontece ao natural quando se gosta, verdadeiramente, da pessoa dita amada...quando se projeta uma vida juntos. Não vejo isso como reflexo de (i)maturidade. Saber demosntrar o que se sente é algo inerente a pessoa. Alguns nascem prontos para tal. Em outros isso aflora com o passar dos anos, geralmente após um episódio traumático.

Daniele Buzatta disse...

Oi Fabiano querido! Fiquei muito feliz de ver pela primeira vez um comentário teu. Como vc mesmo disse, alguns nascem prontos para tal, porém outros não, e são esses outros que precisam aprender a viver, demonstrar o que sentem. Muitas vezes isso acontece quando se sentem muito amados e perdem o bloqueio, enfim que os faz ser "não dedicados". Episódio traumático, também, mas creio mais que o amor muda verdadeiramente as pessoas, pois só ele faz a pessoa querer de verdade mudar. Eu, sinceramente invejo aqueles que sabem se doar sem receio, medo ou insegurança, mas também tenho certeza que serei assim também, pois o amor que um dia recebi me fez querer mudar.