domingo, 21 de fevereiro de 2010

Independência


Quando aprendemos a viver sem ter alguém por nós, sem o amor de alguém dedicado a nós, acabamos nos dedicando à independência absoluta. Independência financeira vira meta, independência pessoal, familiar, tudo é meta e a solução acabou sendo a arte de viver sozinho. A necessidade de não "precisar" de ninguém é primeira exigência.


Quando somos assim, não temos paciência com aqueles que querem invadir nosso espaço, seja ele, nosso coração. Se fosse possível, viveríamos em uma caverna bem abastecida de mantimentos para que não corrêssemos o risco de cruzar com algum semelhante que se propusesse a quebrar aquela rocha firme e concreta que chamamos de independência.


O excesso de desejo de independência é a necessidade ardente de não precisar de ninguém para nada, queremos ser auto-suficientes para tudo que existe em duplicidade no planeta, se pudéssemos nasceríamos sem ter precisado de pais.


É a lei da sobrevivência... aprendemos desde cedo que não temos ninguém e com o passar do tempo e a consciência da idade adulta, nos condicionamos a não precisar de ninguém...


E chamamos de mimados aqueles que tem ou tiveram alguém que fizesse o café da manhã deles na infância por exemplo, o almoço, ou então apenas que ligasse para saber se a pessoa se alimentou direito durante o dia.


Enfim, invejamos e chamamos de fracos aqueles que diferente de nós, souberam o que é ter alguém e cuidados.



Não podemos gostar e fazer aquilo que desconhecemos...