sexta-feira, 27 de abril de 2007

O mundo e a estrela...

Na mesma família, mesma herança genética, mesmos descendentes, porque tratamento diferente?
Por que pra uns o mundo e pra outros apenas uma estrela? O que faz com que os "outros" mereçam menos? Qual seria o quesito avaliado para condenar os "outros" a serem menos merecedores? Se de repente os "outros" soubessem o quesito, poderiam mudá-lo, melhorá-lo para merecer um mundo também e assim se sentirem iguais e não menos.

A dor provém do sentimento (ou ausência) característica por trás desses atos e não no mundo ou na estrela propriamente dita! Não é pelo fato do mundo ser mais que dói, mas pelo fato que o sentimento deve ser maior para que uns mereçam o mundo e menor para que outros mereçam a estrela! E na agonia em não entender onde se está agindo errado para merecer menos, pois se soubessem onde está o erro, talvez o mudaria para merecer sentimento igual.

A dor provém em tentar agir sempre da melhor maneira possível, em ser a melhor pessoa possível, em superar todas as expectativas, em proporcionar orgulho na esperança que assim mereça sentimento igual, mas nada faz com que isso mude... Por mais que nos desdobremos de todas as formas para conseguir superar expectativas, para não frustrar ninguém, nada disso muda essa situação!

É como se fosse uma obsessão! Onde tudo gira em torno de merecer o mundo pelo menos uma vez também, porque daí saberíamos que pelo menos uma vez teríamos sido merecedores de sentimento igual. Mas esse dia não chega... nunca chega.

E por que uma pessoa que chega depois, de repente, começa a merecer o mundo? Por que alguém que chega anos depois se torna merecedora de sentimentos maiores que nós lutamos tanto pra merecer? Por que ela é chamada de filha sem o ser? Por quê?

Sabe de onde a dor provém? A dor está em saber com a mesma certeza de que o oceano é salgado, a noite escura e a chuva fria que por mais que tento (e tento!) ele nunca saberá do meu caráter, nunca saberá da minha personalidade, dos meu desejos e planos... Nunca poderá dizer: "Tenho certeza que ela não faria isso!"
A dor está em saber que ele jamais saberá que eu não o decepcionaria, que ele nunca poderá dizer que me conhece melhor do que ninguém, porque simplesmente ele que deveria, não me conhece!

A dor não está no mundo ou na estrela em si, a dor está no sentimento (ou ausência) por trás disso... E dói! (E por mais que queira muito, acho que nunca deixará de doer...)

sábado, 21 de abril de 2007

O Segredo

Ontem tive a oportunidade de ver um filme no estilo documentário sobre o poder da mente em nossas vidas. Na realidade não vi todo o filme, mas não foi necessário terminar de vê-lo para que eu o considerasse um dos melhores que já vi!
De início ele me lembrou muito um dizer da minha mãe: "Boas energias atraem boas energias e más energias atraem más energias". Sabe, ouvia isso, concordava, mas na real não colocava isso em prática!

O nome do filme é "O Segredo", onde o tal segredo se resume em ver as coisas boas da vida, ser grato pelo que se tem, focar o lado positivo da vida, o bem-estar, e conseqüentemente acabar atraindo cada vez mais coisas positivas!
Esse filme me fez pensar em pessoas que conheço que apesar de já ter reparado esses detalhes nelas, ali se tornaram mais evidentes.

Existem pessoas que para cada problema de sua vida acabam lembrando e pondo a culpa em uma grande decepção do passado. É como se o fato de ter sofrido muito no passado as transformassem em eternas vítimas de suas vidas. Nada que acontece de mal comigo é culpa minha! Eu sou assim porque sofri no passado, porque tenho medo, nada mais natural, o mundo precisa se abituar ao meu jeito, mas eu não preciso me abituar a nada nem ninguém! Vocês mudem para conviver bem comigo, pois eu não posso mudar! Pensamento muito comum e muito confortante! E quando essas pessoas se vêem sozinhas, acabam dando culpa pro azar, dizem que não têm sorte para encontrar boas pessoas, mas poxa, quem é que gosta de conviver com alguém que vive lamentando do passado e vivendo como se ainda estivesse lá?

Por outro lado, existem pessoas que só reclamam de suas vidas! Nada está bom, nada é do jeito que eu quero, minha vida é uma merda, e mesmo tendo uma vida normal ou relativamente boa, essas pessoas jamais notariam isso por estarem tão focadas em problemas e pensamentos ruins! É como aqueles cavalos com viseiras, não olham nada ao redor, só conseguem ver a frente, pessoas alienadas que como os cavalos não conseguem ver as coisas boas da vida ao seu redor, só vêem os problemas que sempre vêem a sua frente! O mesmo se aplica àquelas pessoas que vivem reclamando de doenças, de dores, onde mesmo com uma saúde perfeita, necessitam de remédios para "viverem bem"!

É exatamente como o filme disse!!! Se ao invés de queixarmos da vida e viver desejando as coisas, tivéssemos o hábito de AGRADECER por tudo que temos e somos, automaticamente a vida seria mais prazeirosa, pois notaríamos quão afortunados somos e não quão miseráveis somos!

O que acontece quando estamos nesse estágio de gratidão e bem-estar? Sorrimos mais, brincamos mais, toleramos mais, e conseqüentemente as pessoas a nossa volta respondem da mesma maneira, pois todo ser vivo gosta de ter ao lado pessoas alegres, de bem com a vida e assim a vida passa a ser mais interessante, alegre, intensa!

Por isso, antes de reclamar que não tem dinheiro, agradeça por ter o que comer, por ter um lar! Antes de reclamar de falta de afeto, lembre-se que tem alguém que muito te ama, que você não está sozinho. Antes de reclamar da saúde, lembre-se que você tem duas pernas para se locomover onde bem entender, que você é um ser pensante e sadio!

Tem uma fábula que ouvi pela primeira vez numa aula de religião do colégio e lembro dela seguidamente!

"Um homem com muita sede pede um copo de água para uma outra pessoa qualquer, e esta pessoa traz apenas meio copo de água. Ele pode encarar isso de duas maneiras:
Ele pode reclamar pelo copo estar meio vazio! Ou pode agradecer pelo copo estar meio cheio!"

Somos nós que temos as rédeas da nossa vida, do nosso humor! Toda situação tem dois lados, tudo depende do nosso olhar!

Por isso quando quiser lamentar a vida que tem ou algum problema, lembre-se que tem gente vivendo muito pior que você e agradecendo todos os dias por estarem vivos!

sexta-feira, 13 de abril de 2007

Saudade de ler coisas bonitas!

DESTINO

Quem disse à estrela o caminho
Que ela há- de seguir no céu?
A fabricar o seu ninho
Como é que a ave aprendeu?
Quem diz à planta: Florece!
E ao mudo verme que tece
Sua mortalha de seda
Os fios quem lhos enreda?

Ensinou alguém à abelha
Que no prado anda a zumbir
Se à flor branca ou à vermelha
O seu mel há- de ir pedir?
Que eras tu meu ser, querida,
Teus olhos a minha vida,
Teu amor todo o meu bem...
Ai!, não mo disse ninguém.

Como a abelha corre ao prado,
Como no céu gira a estrela,
Como a todo o ente o seu fado
Por instinto se revela,
Eu no teu seio divino .
Vim cumprir o meu destino...
Vim, que em ti só sei viver,
Só por ti posso morrer.

Almeida Garret (1799 - 1854)

quarta-feira, 11 de abril de 2007

Como eu quero!

Diz pra eu ficar muda faz cara de mistério
Tira essa bermuda que eu quero você sério
Tramas do sucesso mundo particular
Solos de guitarra não vão me conquistar!

Hum! Eu quero você como eu quero!!!

O que você precisa é de um retoque total
Vou transformar o seu rascunho em arte final
Agora não tem jeito você está numa cilada
É cada um por si você por mim e mais nada!

Hum! Eu quero você como eu quero!!!

Longe do meu domínio você vai de mal a pior
Vem que eu te ensino como ser bem melhor

Hum! Eu quero você como eu quero!!!

(Tinha uma idéia de interpretação até ler a música! Na minha idéia ela dizia que queria ele e depois suspirava dizendo: Como eu te quero! Hoje acho que ela diz que quer ele do jeito dela!)

hahaha! Ok ok! É cultura inútil, mas é cultura! Eu postarei coisas mais úteis da próxima vez!

Ah! Música escrita por Leoni e Paula Toller!

sábado, 7 de abril de 2007

Me deixa!

Eu sempre ouvi falar coisas do tipo: "Ah, me enganei com tal pessoa", "Descobri que Fulana não é minha amiga de verdade", "Tem muita gente interesseira nesse mundo", mas nunca passei por nada assim. E sempre acreditava que não passaria por nada assim.
Sempre fui muito fechada e sempre vi isso como um defeito (na verdade as outras pessoas me faziam ver assim) e quando vi que podia e conseguia não ser tão fechada, me envolver mais com as pessoas, achei muito bom! Afinal, tinha mais amigos! Dessa maneira confiei e fui sincera como sempre fui quando gosto e... quebrei minha cara!
Passei a ver que existe muita pessoa interesseira nesse mundo, que muita "amiga" é "amiga" quando algo a favorece! Só que pra mim, que era fechada e que por isso nunca havia me decepcionado antes, agora que achei que poderia confiar também, quebrei a cara, bem quebrada!
Tô frustrada!

Podem dizer que vocês já viveram isso, ou que é natural, ou que isso passa que é bom pra aprender e blá blá blá! Pode até ser tudo isso! Mas nada diminui meu sentimento de raiva, frustração e mágoa que sinto nesse momento!
Sou uma pessoa que vive presando pelos bons sentimentos, boas ações etc e tal. Não vou mudar essa minha natureza por causa de gente que não tem índole alguma, mas que essas pessoas terão uma segunda dor de barriga, ah terão!!!

Sou muito calma e boa, mas por favor não pisem no meu calo que sei me defender!!!

sexta-feira, 6 de abril de 2007

Eu te amo NÃO é bom dia!

Se pararmos pra observar, veremos pessoas se apaixonando todos os dias!!! É um "Eu te amo" pra cá, "eu te amo" pra lá e no entanto a maioria nem tem noção do que está dizendo! Se tem uma coisa que me revolta é ver pessoas usando as palavras em nome de um sentimento muitas vezes falso, pra convencer outra pessoa, ou muitas vezes pra convencer a si mesmo. É o legítimo agir por instinto, se hoje estou carente, com saudade digo que amo, mas se amanhã tiver outra companhia mais interessante ou simplesmente não estiver a fim de ver a pessoa, digo que me enganei com os sentimentos, fácil não? E a outra pessoa? Suponhamos que essa outra pessoa ainda mantenha um sentimento bonito, como ela se sentirá com tanta mudança de comportamento e sentimentos?? No mínimo acabe virando mais um(a) desacreditado no amor e nos sentimentos como tantos que existem por aí. Não seria muito mais fácil esse ser confuso que muitas vezes não sabe o que acontece dentro dele, parar uma vez e pensar ao invés de se levar por puro instinto feito bicho no cio! No máximo ele não encontrará solução alguma pro que sente, mas daí saberá que se não tem certeza do que sente, não deverá envolver outra pessoa nessa confusão pessoal! Claro, tudo isso se o confuso em questão pensar um pouco no que a outra pessoa envolvida irá sentir e parar de focar o próprio umbigo!
Por tudo isso, fico indignada com gente que se conhece há um mês e ama como se fosse alma gêmea (até a alma gêmea os decepcionar, é assim que funciona o amor). Falar que ama qualquer um que encontrar na rua chega a ser ofensa para com as pessoas que realmente se ama, como a família por exemplo. Talvez (preciso acreditar nisso) encontraremos alguém que um dia nos faça dizer: Eu amei de verdade nessa vida! Mas com certeza esse alguém não será todas as pessoas que nos envolvermos durante a vida!

Nessa ilusão de "precisar gostar de alguém, senão não sou feliz" muita gente acaba se enganando, se magoando e magoando outras pessoas por muitas vezes não parar e PENSAR!

quarta-feira, 4 de abril de 2007

Inveja é FALTA DE CAPACIDADE

Hoje fui bem bela, linda e faceira na Univates para mais uma aula com meu queridíssimo professor (aquele que diz que sou uma criatura meiga) e chegando no local minhas fiéis escodeiras me comunicaram de um fato ocorrido na minha ausência! (Pra ser sincera na ausência delas também).

Pra que vocês entendam o dilema, vos explico o que se passa conosco:
Somos da primeira turma de Biomedicina e para tentar amenizar um pouco os vários probleminhas enfrentados no local de ensino (que não vem ao caso aqui), resolvemos fazer parte do D.A. do curso (pra quem não sabe Diretório Acadêmico). Estamos engajadas em ter uma voz ativa lá dentro! Como éramos a única chapa feita, ganhamos por total de assinaturas!

Bom, o fato é que certas coleguinhas muito inteligentes resolveram reclamar com o coordenador (vê se pode!) que estavam se sentindo "excluídas" pelo D.A.!!!! O coordenador "visitou" a sala de aula onde minhas fiéis escodeiras estavam estudando, com gente de outros cursos, e resolveu contar o acontecido ali, fato bem interessante! Bom quem me conhece imagina a minha feliz reação ao saber disso tudo!

Minha pergunta: Se essas queridas coleguinhas carentes de afeto estavam se sentido abandonadas, porque não pediram o tal afeto antes do D.A estar formado? Pois a afinidade estava visivelmente formada desde o início do curso!

Resumindo toda a novela mexicana, amanhã teremos uma reunião com o coordenador e com as coleguinhas carentes!

Juro que minha vontade é pegar a Ata e tudo que vier com ela e fazer essas criaturas odiarem o D.A devido o lugar que esses papéis entrariam!!!!

Mas tudo bem, vamos ver o que essas pessoas têm a dizer amanhã!
(Precisarei tomar uma água de melissa antes de sair de casa e que tirem esses papéis de perto de mim)!!!

segunda-feira, 2 de abril de 2007

Tudo menos devaneio!

Qual será a causa do alto índice de gravidez nas adolescentes? Esse fato é um problema de cunho pessoal e social, pois resulta num aumento populacional e futuros jovens e adultos sem uma educação tão primorosa, podendo ocasionar um círculo vicioso, tornando cada vez mais cedo a constituição familiar, pois não se esqueçam que serão educados por outros jovens sem a devida maturidade (salvo raras exceções)! Todos sabemos que a gravidez na adolescência é um problema, mas muitas vezes não estamos a par do porquê que este fato acarreta tantos obstáculos na vida dos jovens e dos filhos.
É comum encontrarmos jovens grávidas que não têm a devida maturidade e responsabilidade para criar e educar seus filhos, até porque a sua formação pessoal ainda não está bem madurecida, pois muitas vezes os jovens não têm uma orientação adequada em casa a respeito da sexualidade precoce e suas conseqüências.
A responsabilidade em alertar os jovens está primeiramente na família, segundo a professora da PUC, Ceres de Araújo, a relação entre pais e filhos está carente de limites e os filhos passam a determinar as regras em casa, iniciando suas vidas sexuais precocemente.
Segundo uma pesquisa feita pelo jornal Folha de São Paulo (perdoem, mas não tenho a data exata da realização da pesquisa, sei que é algo entre um a no máximo dois anos atrás), a porcentagem de mulheres de 15 a 19 anos que sejam mães é de 13% e que apenas 35,1% das meninas usam camisinha em todas as suas relações, ou seja, o risco de uma jovem engravidar e ainda contrair várias doenças é de cerca de 48,1%, um índice muito alto.
É preciso orientar todos os jovens (não apenas os de classes menos favorecidas como muita gente pensa) dos riscos que uma vida sexual ativa pode causar, pois todos nós sabemos que proibir não é a melhor solução, o jovem irá fazer de qualquer jeito. A época de reprimir qualquer dúvida, qualquer receio que os jovens tenham já passou, é sensato impor limites com orientação e doses cavalares de realidade! Não sou tão ingênua ao ponto de pensar que descobri a solução pro problema, mas apesar de pra mim isso parecer um tanto óbvio, tem gente que AINDA acha absurdo falar de sexo com jovens de 14, 15 anos!